Imprensa24h 26 de julho de 2018

Parabéns Pelos seus 165 Anos Monsenhor Olímpio Campos: “Não! Não lhes sei recordar uma dor, sem comoções agudas, extremas, nem esbater o perfil do amigo ausente, daquele que estava sempre com os seus. Comendo dos mesmos frutos, bebendo da mesma torrente… sentido quando sentíamos chorando quando chorávamos. Sim! Ele era grande amigo, o ótimo amigo dos sergipanos” (CARMELO, 2005).

Olympio de Souza Campos, na grafia original arcaica), mais conhecido como Olímpio Campos. Nascido no engenho periquito, no município de Itabaianinha região centro-sul leste sergipano em 26 de julho de 1853, filho do coronel José Vicente de Sousa e de Porfiria Maria de Sousa Campos. Foi presidente do Estado de Sergipe de 1899 a 1902, além de senador de 1903 a 1906 e deputado federal e provincial. Iniciou os estudos primários na cidade natal, prosseguindo-os em Estância (SE) e recebendo aulas particulares de latim em Lagarto (SE). Seguiu para a cidade de Recife em 1866 a 1868, onde pretendia cursar os preparatórios e bacharelar-se em ciências jurídicas e sociais. Faltando apenas as classes de filosofia e retórica para concluir os estudos que o levariam à Faculdade de Direito, mudou de intenção ao ver despertada sua vocação eclesiástica. Matriculou-se no Seminário de Salvador e ali estudou ciências eclesiásticas entre 1870 e1873. Findo o curso, não pôde ser ordenado, por não ter completado a idade estabelecida. Somente em 22 Setembro de 1877 o arcebispo dom Joaquim Gonçalves de Azevedo conferiu-lhe a consagração sacerdotal. Neste mesmo ano começou a desempenhar os encargos paroquiais como coadjutor do vigário de Itabaianinha, vindo a ser em seguida vigário de vila Cristina (atual Cristinápolis) transferindo-se em 1880, para a da capital do estado onde exerceu a jurisdição paroquial até o fim do ano de 1900, ano em que se exonerou para mais livremente agir em uma esfera de ação mais ampla, e mais acomodada às suas tendências naturais.

Quando presidente do Estado, Olímpio de Sousa Campos levou para o município de Itabaianinha o correio e o telégrafo, mandou construir o açude PRESA, em 1902, grande reservatório de água potável, para atender a população, que pessoalmente inaugurou vindo com a comitiva oficial a cavalo de Aracaju, se empenhou tenazmente para ver passar por ali a linha férrea, o que acabou acontecendo por volta de 1911, quando foi construída uma estação ferroviária, existente ainda hoje, porém desativada. Também possui uma Escola da rede Estadual de ensino fundada em 15 de março de 1950, onde leva o nome de Monsenhor Olímpio Campos além de uma praça com o nome do mesmo.

Fonte: CARMELO, Antônio. Olímpio Campos perante a história. 2. ed. Aracaju: SCESE, 2005. [1ª edição: Rio de Janeiro: Oficinas Gráficas Gomes, Irmãos & Cia, 1910

Agilidade e informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*