Após sofrer ameaça, mulher que fez denuncia de suposta ‘rachadinha’ no gabinete do Dr. Samuel Carvalho presta BO

A ex-servidora da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), Gildete Dias Menezes, que denunciou o suposto esquema de ‘rachadinha’ que envolve o gabinete do deputado estadual e ex-líder da oposição na Casa Legislativa Estadual, Dr. Samuel Carvalho (Cidadania), oficializou, juntamente do seu advogado, nesta quinta-feira (15), um Boletim de Ocorrência (BO) após sofrer ameaças. A informação foi confirmada por Gildete ao Ajunews.

A reportagem a questionou se foi solicitada alguma medida protetiva junto à Justiça. “Ainda, no momento, não tenho medida protetiva. Estou aguardando por isso que não estou em casa. Estou aguardando isso para poder seguir a vida”, disse ela que devido a duas ameaças de morte em menos de 24 horas, conforme divulgado pelo Ajunews, nesta quarta-feira (14).

Segundo a ex-servidora, a primeira ameaça foi na madrugada desta terça-feira (12), por volta das 3h20 da manhã. “Na madrugada de segunda pra terça, eu me acordei 3h da manhã para ir no banheiro. Aí eu tenho a mania de sempre olhar a casa. Quando eu estava na sala, vi alguém subindo uns degraus, aí olhei pelo vidro, mas não deu pra ver visivelmente quem era, vi que era um homem, mas não conheci o rosto. O homem estava com uma bota preta, daquelas de ir para o campo, de calça jeans e camisa azul. Minha casa é de andar, tem uma escada. Ele passou pelo telhado do vizinho, agarrou na grade pra tentar ir até a janela do meu quarto. Aí como fez muito barulho ele voltou”, informou com exclusividade.

Já na segunda ameaça, Gildete conta que aconteceu por volta das 18h30 da noite desta terça-feira (12). De acordo com ela, dessa vez era o seu sobrinho, Rafael Gomes de Menezes, filho de uma das suas irmãs e irmão de Adriana Menezes, esposa do deputado Samuel Carvalho. “Eu estava no sofá assistindo com minha irmã, quando escutei uma ‘pesada’ no portão. Aí quando a gente olhou era meu sobrinho com um revólver na mão e dizendo que ia me matar. Só que estavam três cadeados no portão. Ele dizia: ‘Vou lhe matar agora, vou estourar você de bala’. Aí eu peguei e corri para a cozinha, e minha irmã gritando, dizendo ‘chama a polícia’, tô ligando pra ‘polícia’. Só que quando eu corri eu deixei o celular no sofá, e não podia voltar porque ele estava na frente e dava pra ver o sofá. Aí ele disse: ‘Eu vou embora, mas eu voltar, vou encher você de bala pra não falar mais nunca’”, afirmou Gildete, acrescentando que viu nitidamente o sobrinho, que é cunhado de Samuel Carvalho.

Fonte: Ajunews

 

 

 

 

Notícias de Sergipe

Email: contato@imprensa24h.com.br

Imprensa 24 Horas

Siga nossas redes:

Facebook
Instagram
Twitter

Imprensa 24h

Notícias de Sergipe: Informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *