Pular para o conteúdo
Início » Câmara dos Deputados analisa criar benefício para mulheres vítimas de violência

Câmara dos Deputados analisa criar benefício para mulheres vítimas de violência

Muitas mulheres que sofrem violência são dependentes financeiramente dos seus companheiros

Cerca de 29% das mulheres que sofrem violência doméstica não denunciam os agressores, muitas vezes por conta da dependência econômica. É justamente para estabelecer um benefício para mulheres carentes vítimas de violência doméstica e permitir que mais mulheres tenham renda própria que a deputada Rejane Dias (PT-PI), criou o Projeto de Lei 4462/21, que está sob análise da Câmara dos Deputados.

“Muitas mulheres que sofrem violência doméstica não conseguem sair do ciclo da violência por serem dependentes economicamente de seus agressores. A insegurança de sua manutenção e de seus filhos é um dos fatores para permanecerem no ambiente de violência. Esse benefício é uma das formas que assegura à mulher vítima coragem para denunciar ou pedir ajuda e sair do ciclo da violência”, diz a professora do curso de Direito da Universidade Tiradentes (Unit), doutora Acácia Gardênia Lelis.

“A dependência econômica é um dos fatores que mais influenciam a permanência da vítima no lar violento. A violência patrimonial é uma das formas de violência, com não pagar alimentos, reter bens da vítima. Dessa forma, o medo de ficar sem pensão e sem seus bens contribuem para as vítimas não denunciarem a violência sofrida”, acrescenta.

Segundo ela, a falta de denúncia gera um grande problema: a subnotificação. “O número de casos de violência doméstica é muito maior do que as denúncias, isso é um fato. Por isso a conscientização da sociedade sobre esse problemas é fundamental, conscientizando da importância de se meter a colher, sim. Esse não é só um problema pessoal, mas coletivo e importa a toda a sociedade”, ressalta a doutora.

Por isso, é essencial incentivar que mais mulheres denunciem atitudes violentas de seus companheiros, seja por meio de políticas públicas, lei ou ações sociais. “Isso é possível empoderando as mulheres e as meninas, levando conhecimento sobre seus direitos, a igualdade entre homens e mulheres. A educação para a igualdade e o respeito é o caminho que acredito ser transformador”, afirma Acácia.

Asscom Unit

Imprensa 24h

Notícias de Aracaju, Sergipe e do Brasil

Instagram

Facebook

Twitter