Cleo Santos – Uma História de absoluta Superação

Clemilda Oliveira Santos nasceu na cidade de Simão Dias-SE em 18 de janeiro de 1967. Abandonada pelos pais biológicos, ainda criança, foi acolhida e adotada pelo Sr. Arlindo Oliveira Santos, pescador e a Sra. Maria Souza Santana, lavadeira de roupa, que lhe deram um lar e a criaram como filha dando-lhe muito amor. Viveu em extrema pobreza, mas recorda que apesar das condições precárias, era uma criança feliz pelo amor dispensado pelos seus pais, o que compensava a falta do alimento. Na infância e adolescência estudou nas escolas Carvalho Déda e Carvalho Neto em Simão Dias.

Já com 14 anos de idade mudou-se para Salvador aonde passou a morar com uma tia. Aos 17 anos começou a trabalhar no intuito de ajudar seus pais, porém, não ficou por muito tempo por ser menor de idade. Aos dezoito anos passou a vender carnê do Baú da felicidade pelas ruas. Apesar do pouco grau de instrução, observava a maneira com que as pessoa se comunicavam, e assim aprendia a dialogar visando sempre progredir.

Durante sua trajetória como vendedora, chamou a atenção de um empresário do ramo de revistas que a empregou no aeroporto de Salvador onde trabalhou por 10 anos. Ainda em Salvador, casou-se com Washington Santana, com quem teve seu único filho. Como o relacionamento era conturbado e havia muitos abusos psicológicos, decidiu separar-se.

Retornando à sua terra de origem, foi recebida por seus pais adotivos que a acolheram e a ajudaram na criação do seu filho. Como mãe solteira, Cléo passou por muitas dificuldades e recorda com muita emoção o apoio de seus pais nesta fase difícil de sua. Ainda teve outros relacionamentos que marcaram sua vida de maneira negativa, porque em todos sofreu muitos abusos psicológicos e até físicos.

Em um desses relacionamentos, envolveu-se com um homem que era usuário de drogas e passou a traficar para sustentar o vício do companheiro. Essa escolha trouxe muitos sofrimentos para sua vida e de seu filho. Seu envolvimento nesse mundo obscuro logo chamou a atenção da polícia, que passou a investigar e constatou seu envolvimento.

Durante a investigação, em 2011, seu filho foi acusado de tráfico e detido por 7 anos. Cléo foi detida por 8 meses e solta logo após, e ficou aguardando julgamento. Quando saiu a sentença, Cléo fugiu e passou a viver foragida. Trabalhou em casa de família durante um tempo até ser encontrada pela polícia e condenada a 8 anos de detenção, fase que recorda com muita tristeza, principalmente por se sentir culpada pela prisão de seu único filho. Foi sentenciada, a 8 anos de reclusão, porém, por bom comportamento só permaneceu presa por 2 anos, 9 meses e 15 dias, quando enfim foi solta.

No sistema prisional, com apenas 6 meses, por ter um comportamento exemplar, foi escolhida para trabalhar como secretária da Assistente Social, Sra. Gércia. Lá descobriu o valor da escrita e passou a escrever juntamente com outras detentas um livro, cujo nome é “As Vozes”. O livro trata de relatos da vida pessoal dessas detentas. Participou, também, de peças teatrais, com apresentações no teatro Atheneu.

Essas participaçoes contribuíram para a redução da pena, e, logo chegou o alvará de soltura e Cléo enfim estava livre da prisão. Começava agora, uma nova fase de sua vida. Fora da prisão, Cléo se deparou com um mundo onde não havia espaço para uma ex-detenta. Discriminação, preconceito, críticas, era só o que a ofertavam até o dia que finalmente encontrou alguém que acreditou nela: Alan dos Santos Alves, em quem descobriu o verdadeiro amor e com quem convive já a 10 anos.

Sem oportunidades no mercado de trabalho, Cléo passou a vender panos de prato e entusiasmada com as vendas, percebeu ser esse o caminho para vencer o preconceito e conseguir o seu sustento de maneira digna. Logo em seguida, Cléo foi apresentada pela amiga Luciana -que também a ajudou muito nessa fase difícil-, ao empresário Fabiano, que comovido com a sua história de luta, resolveu dar-lhe crédito, confiando-lhe a entrega de mercadorias para vender. E logo a ex-detenta, tão discriminada pela sociedade, se descobriu uma grande empreendedora.

Nesse período, Dra. Carla, defensora pública, conhecendo a história de Clemilda, a convidou para assistir uma palestra no SEBRAE sobre Empreendedorismo. Ao final, um dos diretores do SEBRAE ofertou um curso gratuito de capacitação em empreendedorismo, e outras oportunidades surgiram. Durante esse curso, conheceu  pessoas influentes- a advogada Poliana, a pedagoga Dayse Santana, o professor Moabe Teles e o cientista político Eduardo Barbosa-, que também passaram a acreditar no seu potencial e sabendo da sua história, passaram a ajuda-la.

Atualmente, Clemilda é empreendedora, atuando em venda de comésticos, perfumes, semijóias e vestuário. Também é palestrante pela empresa TBX Consultoria, e tem recebido muitos convites para participar de lives contando sua história de superação, um exemplo que tem inspirado pessoas a mudar o olhar com relação a ex-presidiários.

 

Sou Vânia Sobrinho e estarei aqui semanalmente compartilhando com vocês textos biográficos de pessoas ilustres.

 

 

Notícias de Sergipe

Email: contato@imprensa24h.com.br

Imprensa 24 Horas

Siga nossas redes:

Facebook
Instagram
Twitter

Imprensa 24h

Notícias de Sergipe: Informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h.

One thought on “Cleo Santos – Uma História de absoluta Superação

  • 16/07/2021 em 16:28
    Permalink

    História fascinante! Amei!

    Resposta

Deixe uma resposta