Pular para o conteúdo
Início » Governo de Sergipe investe cerca de R$ 10 milhões e lança programa Pesquisa na Escola

Governo de Sergipe investe cerca de R$ 10 milhões e lança programa Pesquisa na Escola

Os investimentos históricos são aplicados em mais de 600 projetos

 

Desde quando estabeleceu a educação pública como política de Estado, o Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), vem ampliando as possibilidades em torno da produção científica e tecnológica nas escolas estaduais. É nesta perspectiva que projetos têm saído do papel a fim de impulsionar ainda mais a rotina escolar dos professores e estudantes sergipanos. Dentre as ações estão o apoio financeiro a projetos escolares, com recursos do Profin, programas de incentivo pedagógico, editais para realização de feiras e olimpíadas de conhecimento. Os investimentos são de exatamente R$ 10.008.600,00.

O protagonismo dos professores e estudantes sergipanos na execução e, muitas vezes, na ideação dos projetos, sobretudo nas premiações, evidencia a importância dos investimentos em ações integradas. Para o superintendente executivo da Educação Estadual, professor José Ricardo de Santana, mesmo em tempos difíceis, as escolas não pararam de produzir conhecimento. “A Seduc faz ações específicas destinadas a motivar os projetos. Isso é uma política de rede, e temos essa perspectiva de sempre apoiar as comunidades escolares”, disse ele, lembrando ainda os parceiros. “Nosso objetivo é intensificar as parcerias e proporcionar oportunidade para todos os estudantes e professores”.

Na gestão dessa política de incentivo estará o Programa Pesquisa na Escola, cujo projeto de Lei de autoria do governo estadual foi aprovado na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) e sancionado pelo governador Belivaldo Chagas. A iniciativa tem a finalidade de conceder auxílios e bolsas para financiar o desenvolvimento de projetos científicos, tecnológicos e de inovação na rede pública de ensino, como estimular a pesquisa e a produção científica, incentivar a participação de estudantes em atividades, tais como feiras, olimpíadas e eventos, despertando o interesse por carreiras na área da ciência, além de impulsionar o desenvolvimento de soluções inovadoras.

Feiras, olimpíadas e programas de incentivo

A partir de cooperação celebrada entre a Seduc e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), por meio da Fapitec, o governo lançou um conjunto de investimentos para apoiar ações de tecnologia e inovação na rede pública estadual de ensino, que está orçado em R$ 8.488.600,00 para serem aplicados diretamente na execução dos projetos e pagamento de bolsas. Com a ação, que tem vigência até 2026, será possível financiar Feiras e Olimpíadas Científicas; Projetos de desenvolvimento do ensino na escola; Projetos de extensão em parceria com comunidades, empresas e associações; Projetos de Núcleo de Excelência em Políticas Educacionais (Nuepe); Projetos de Desenvolvimento Técnico; e Programa de divulgação científica.

Para fomentar a realização de feiras e olimpíadas, a Seduc já publicou quatro editais, dois dos quais estão em andamento, cujos projetos estão em fase de execução; e outros dois que se encontram com sistema aberto para recebimento de propostas. Os prazos e condições de participação podem ser consultados no site da Fapitec. De acordo com o diretor presidente da fundação, Ronaldo Botelho Guimarães, a parceria com a Secretaria de Estado da Educação representa grandes avanços para a produção científica de Sergipe. “Estamos felizes em mais uma vez nos unirmos com a Secretaria de Estado da Educação a fim de possibilitar esse volume de recursos para a gente trabalhar em editais que, com certeza, irão alavancar a Educação sergipana”, frisou.

Apoio à tecnologia e inovação

Outra iniciativa que consolida a parceria da Seduc com a Fapitec é o Programa de Projetos Científicos e Tecnológicos na Rede Estadual de Educação, por meio do qual oferta bolsas de iniciação científica Júnior a alunos das escolas estaduais para desenvolverem pesquisas. Atualmente a ação é regulamentada pelo edital nº 02/2022, que se encontra aberto para recebimento de propostas até o dia 27 de julho. O programa possibilita a participação de alunos do ensino médio e 9º ano do ensino fundamental em atividades de pesquisa científica e tecnológica, orientadas por professor pesquisador qualificado. Cada projeto contemplado receberá o aporte de R$ 2.500,00, além de bolsa de incentivo de R$ 100,00 para o aluno.

Em plena execução também está o edital nº 02/2020 – Programa de Apoio e Desenvolvimento de Políticas Públicas em Educação para o Estado de Sergipe, que foi prorrogado. O objetivo é fomentar projetos de pesquisa e contribuir para a análise, formulação e implementação de políticas públicas que venham a atender às demandas sociais e institucionais, de forma participativa, entre instituições de ensino e pesquisa. As 46 propostas aprovadas cumprem linhas temáticas de interesse prioritário definidas pela Seduc, distribuídas em quatro eixos: Emergencial, Ensino, Planejamento e Orçamento e Suporte. Os projetos receberam valores que variam entre R$ 5.000,00 e R$ 30.000,00 para fomentar as ações, sob a condução de pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) e Academia Sergipana de Letras.

Tecnologias sociais

Lançado recentemente pela Seduc e Fapitec, o edital de Tecnologias Sociais é outra iniciativa que faz parte do conjunto de investimentos para apoiar projetos na rede. A finalidade é dar suporte financeiro à execução de projetos apresentados por pesquisadores individuais, que se constituam em instrumentos de auxílio à geração de renda em comunidades sergipanas, contribuindo para a redução da pobreza e melhoria da qualidade de vida no estado a partir de conhecimento produzido ou validado em escolas da rede estadual. As propostas devem ser apresentadas até o dia 14 de junho.

A proposta apresentada ao edital deve se referir, especificamente, a projeto de pesquisa, validação, gestão e/ou transferência (difusão) em Tecnologias Sociais. São consideradas linhas temáticas prioritárias do edital aquelas relacionadas ao empreendedorismo social, sustentabilidade e economia criativa, agricultura familiar, economia solidária (incubação de empreendimentos econômicos solidários), geração de trabalho e renda em economia solidária, tecnologias assistivas (produtos, processos ou técnicas que possibilitam o aumento e/ou independência de grupos vulneráveis, a fim de colaborar para a inclusão social destas) e Inclusão sócio-digital.

Profin Projetos

A Seduc também tem reforçado o apoio a projetos escolares destinando recursos diretamente aos cofres das escolas, por meio do Programa de Transferência de Recursos Financeiros Diretamente às Escolas Públicas Estaduais (Profin Projetos). Em 2022, estão sendo financiados 304 projetos que se destacam em diversas frentes, sejam eles culturais, esportivos, científicos, de impacto social, empreendedorismo etc. O investimento nessa ação alcança o valor de R$ 1.520.000,00.

A diretora do Dase, professora Eliane Passos, destacou que a seleção dos projetos escolares é mais uma demonstração de como a Educação Estadual tem investido no protagonismo das escolas. “É uma ação que estimula o professor a elaborar o projeto, incentiva o protagonismo dos estudantes, a participação ativa voltada para o conhecimento, observando as peculiaridades de cada unidade de ensino, respeitando o olhar dos professores, a forma que ele encontrou de aprimorar a ação docente dele, e a Seduc reconhece tudo isso, dando condição financeira para executar”, disse.

Localizado no Médio Sertão, o Colégio Estadual Professor Fernando Azevedo, em Nossa Senhora das Dores, teve três projetos contemplados, são eles: Além dos Muros da Escola; Desenvolvendo a Matemática através de Jogos; e Construção Historiográfica no Col. Est. Prof. Fernando Azevedo. Este último é coordenado pelo professor de História, Luís Carlos de Jesus, e tem como objetivo estimular a pesquisa entre a comunidade escolar. “É um trabalho que executamos durante todo o ano letivo, e ao fim de todo esse processo, a gente reúne os textos dos alunos e publica um livro, cujo material aborda o contexto histórico da nossa escola, no qual trazemos relatos biográficos de ex-funcionários, personalidades da nossa cidade, entre outros aspectos”, disse ele, destacando que os recursos serão importantes para a condução do projeto.

Imprensa 24h

Notícias de Aracaju, Sergipe e do Brasil

Instagram

Facebook

Twitter