Pular para o conteúdo
Início » Maria destaca importância da doação de sangue como “um ato de amor”

Maria destaca importância da doação de sangue como “um ato de amor”

No Dia Mundial do Doador de Sangue, parlamentar ressalta que a ação envolve empatia, carinho e preocupação com o próximo

“A doação de sangue suscita um ditado antigo, mas muito verdadeiro: fazer o bem sem olhar a quem. Quando doamos, contribuímos com parte de nós mesmos à saúde do próximo, muitas vezes desconhecido. É uma atitude preciosa e do mais profundo amor”. É isso que pensa a deputada estadual Maria Mendonça (PDT), que no Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado nesta terça-feira (14), enfatizou a importância das doações, muito necessárias em um cenário de baixo estoque de sangue do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose).

A preocupação da parlamentar com o tema não se revela apenas na data de conscientização. Ela é autora de múltiplas proposituras, já aprovadas na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), que incentivam e promovem a doação de sangue no Estado de Sergipe. Uma delas é a Indicação 467/2020, que propõe a criação do programa “Com o Hemóvel, o Hemose chega até você” por parte do governo estadual. A ideia consiste em disponibilizar veículo equipado e estruturado para realizar a coleta sanguínea da população, abrangendo especialmente municípios do interior sergipano, que não possuem pontos de doação.

“Embora muitas pessoas tenham a vontade de serem doadoras de sangue, chegar até um ponto de coleta nem sempre é fácil, seja por qual motivo for, principalmente quando nos referimos ao interior de Sergipe. Diante desse cenário, estamos perdendo a chance de contribuir para a melhora da condição de saúde de diversos pacientes e até de salvar vidas. Sem a necessidade de longos deslocamentos, podemos, com o Hemóvel, ver um potencial e exponencial aumento no número de coletas”, afirmou Maria.

A deputada lembrou que, desde o início da pandemia de covid-19, em 2020, o Hemose tem alertado para o baixo nível do estoque de sangue do centro. A média diária de doações está entre 70 e 80. Porém, segundo o Hemose, o ideal seria de 120 a 150 doações ao dia. Os estoques de sangue e seus componentes são utilizados em tratamentos de câncer, anemias crônicas, renais, cirurgias de alta e média complexidade, além de possíveis queimados.

Foi pensando nisso que Maria propôs, através de duas Indicações, que o Governo do Estado de Sergipe e a Secretaria de Estado da Saúde implantassem postos de coleta nos shoppings Prêmio, em Nossa Senhora do Socorro, e Peixoto, em Itabaiana. “Há um fluxo de funcionários e visitantes considerável nesses espaços. No caso de Socorro, o shopping está localizado no centro dos maiores conjuntos habitacionais da Grande Aracaju. E Itabaiana é destino e ponto de parada para diversos sergipanos que cruzam o Estado. As possibilidades de captação de novos doadores são muitas”, defendeu ela.

Além disso, a parlamentar é autora da Indicação 175/2019, que sugere ao governo estadual a isenção de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) aos doadores de medula óssea, encontrada no interior dos ossos e que possui plaquetas, responsáveis pela coagulação, e células capazes de produzir componentes do sangue. “O número de doadores de medula óssea é muito baixo no Brasil. A chance de se encontrar uma medula óssea compatível é de um em 100 mil, o que revela a necessidade de mudar essa conjuntura. É um tipo de transplante que contribui para o tratamento de diversas doenças, como leucemia, anemias graves, linfomas e vários tipos de tumores”, explicou Maria.

Como doar

Para doar sangue em Sergipe, basta se dirigir ao Hemose, que atende de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h. É também possível realizar a doação no ponto de coleta no shopping RioMar, em Aracaju, que funciona às segundas, quartas, quintas e sextas-feiras, das 13h às 17h. Em ambos os locais, é necessário apresentar documento com foto, válido em todo o território nacional. Podem doar aqueles que tiverem entre 16 e 59 anos e pesarem mais de 50 KG.

O Hemose recomenda que os doadores não estejam em jejum no momento da coleta, que façam um repouso mínimo de seis horas na noite anterior à doação e que não façam ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas anteriores. O centro orienta, ainda, que se deve evitar fumar por pelo menos duas horas antes da doação e alimentos gordurosos nas três horas antecedentes à coleta sanguínea.

Conforme o Hemose, não podem doar as pessoas que tiveram diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade, mulheres grávidas ou que estejam amamentando, pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue, como AIDS e sífilis, e usuário de drogas. Também não podem realizar doação aqueles que fizeram tatuagem ou colocaram piercing em locais não controlados pela Vigilância  Sanitária nos últimos 10 meses e os que tiveram relacionamento sexual com  parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de  preservativo, nos últimos 12 meses.

Assessoria Parlamentar deputada Maria Mendonça