Medidas restritivas: Mais de 78% dos bares e restaurantes vão fechar ou já fecharam

Medidas restritivas: Mais de 78% dos bares e restaurantes vão fechar ou já fecharam

De acordo com pesquisa da Abrasel, 81,4% dos empresários do setor não conseguirão manter folha de pagamento em dia

Um dos segmentos que mais emprega em Sergipe também é um dos que mais estão sendo abalados com as medidas restritivas. De acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – Abrasel (SE) – na primeira quinzena de março de 2021, 78% dos bares e restaurantes estão para fechar ou já estão fechados.

A pesquisa aponta que diante do decreto imposto da ultima semana indicam que 6,8% já fecharam ou já decidiram por fechar, e 10,2% não possuem condições sequer de arcar com os custos do fechamento e 61% não saibam como continuarão abertos.

Quanto aos funcionários, 81,4% das empresas já não possuem mais recursos para pagamento dos salários. A pesquisa revela que 86,4% dos barres, restaurantes e similares já tiveram que demitir funcionários. Os dados apontam que 95% das empresas irão realizar novas demissões, sendo que 32,1% dessas empresas terão que demitir de 20% do quadro atual.

Os dados apontam que 78% não dispõem de recursos para pagamento das contas de energia elétrica; 69,5% não conseguirão pagar as contas de água, ou já possuem débitos; 89,9% não conseguem honrar o aluguel, ou já estão em dívida; e 81,4% estão em atraso ou não mais pagarão os seus fornecedores, com agravante que destes 11,9% já estão impossibilitados de realizarem novas compras.

Em relação ao pagamento de tributos, 86,4% estão sem condições de realizar o pagamento dos tributos federais, mesmo percentual para os tributos estaduais e 79,7% os tributos municipais. As dívidas bancárias, 76,3% das empresas já se encontram sem capacidade de pagamento e 10,2% já estão sendo executados pelas instituições financeiras.

Os números coletados apontam que 71,2% das empresas estão funcionando com atendimento presencial, 83,1% estão funcionando com o delivery e destes 23,8% estão funcionando com o delivery e retirada no local. As empresas que ainda estão operação 55,3% faturam menos de 30% do equivalente ao mesmo período antes da pandemia.

O faturamento no turno da manhã (até as 11 hs) revela que 62,7% do segmento não atuam nessa faixa de horário. Ao mesmo tempo que 37,3% da atividade setorial possui vendas ativas durante este período, sendo que apenas 5,1% do total tem importância maior que 60%.
Já no turno do almoço (entre 11 Hs e 16 Hs), 83,1% dos estabelecimentos possuem movimentação de vendas.

O turno do happy hour, jantar e noite (a partir das 16 Hs) concentra a maior oferta do segmento, com 88,1% do setor em plena atividade e cerca de 50% dos bares e restaurantes faturam acima de 60% de todas suas receitas. Evidenciando assim, a extrema importância desse turno para a sobrevivência das empresas.

Fica registrada nossa contribuição com dados sobre o panorama atual dos bares, restaurantes, similares e micro empreendedores individuais que movimentam desde o agricultor familiar até as indústrias de alimentação e bebidas no Estado de Sergipe, com intuito de gerar informação de qualidade na demonstração evidente do quadro caótico e na necessidade urgente de MEDIDAS PARA A RETOMADA PELA SOBREVIVÊNCIA E REPARAÇÃO!

Fonte: ABRASEL em Sergipe

Deixe uma resposta