Pular para o conteúdo
Início » O INFERNO ASTRAL DE LAÉRCIO OLIVEIRA

O INFERNO ASTRAL DE LAÉRCIO OLIVEIRA

O deputado federal Laércio Oliveira, parece estar vivendo um inferno astral, visto que além da possibilidade real de não fazer o sucessor no comando da Fecomércio, ele enfrenta uma fritura explícita, patrocinada por membros influentes da base governista, que pretendem vê-lo distante da chapa oficial do governo.

A Fecomércio, entidade com invejável estrutura física e orçamentária, capaz de pavimentar politicamente o caminho de quem a preside, em razão do papel social que a mesma desenvolve perante milhares de beneficiários, caminha para uma mudança de comando nos próximos dias, e pelo andar da carruagem. Os responsáveis pela escolha do novo comando da Federação em Sergipe aparentam caminhar para impedir que a entidade se transforme em mais um partido político, o que a levaria a sofrer restrições no ambiente social e empresarial, distanciando-a do seu real papel.

A manifestação pública de influentes empresários em apoio ao concorrente Breno França, é claro indicativo de que pretendem deixar a Fecomércio distante do embate eleitoral, e que irão conceder ao empresário Laércio Oliveira um tempo maior para que ele se dedique ao projeto político que possui.

Já a “chapa governista”, cuja formação passa pelo crivo de Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira, tem dado sinais de que deseja expurgar o nome do deputado Laércio da lista de pretendentes para representá-la na disputa pela vaga do Senado Federal. Em Sergipe a base governista possui claro compromisso de montar um palanque para apoiar uma possível candidatura do ex-presidente Lula, enquanto Laércio Oliveira possui compromisso com a reeleição do presidente da república, Jair Messias Bolsonaro.

O deputado federal Laércio Oliveira é aliado de Bolsonaro em Brasília, mas em Sergipe faz política fortalecendo o agrupamento que apoia Lula, fez com que ele tenha sido hostilizado no dia 01 de maio, em manifestação promovida pelos bolsonaristas.

A bíblia já nos ensinou que Deus vomita os mornos, e isso se aplica também na política.