Pular para o conteúdo
Início » Prefeitura de Aracaju alerta para a baixa cobertura vacinal do público infantil e seus riscos

Prefeitura de Aracaju alerta para a baixa cobertura vacinal do público infantil e seus riscos

Das 62.091 crianças entre 5 e 11 anos aptas a receber a vacina contra a covid-19, em Aracaju, 45.657 procuraram o serviço, resultando numa cobertura de 73%. Já das demais vacinas destinadas a todo público infantil, de 0 a 11 anos, a média da cobertura cai para apenas 49,61%. O baixo registro se dá pela falta de procura dos pais ou responsáveis, uma vez que não há falta desses imunizantes em Aracaju.
A rede pública de saúde da capital disponibiliza 45 salas de vacina nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Nelas, é possível atualizar a caderneta de vacinação com todos os imunizantes disponibilizados ao público infantil. Entre elas, estão: BCG, Poliomielite (VIP/ VOP), DTP, HPV, DT, Influenza, Pentavalente, Meningo C, Meningite ACWY, Pneumo 10, Rotavírus, Tríplice viral, Hepatite A, Hepatite B, Varicela, dTpa, Antirrábica.
Em 2020, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) registrou uma cobertura média de 49,61%, que aumentou para 60,83%, mas que, este ano, está apenas em 16,78%. A cobertura da vacina contra o sarampo (tríplice viral), que também protege contra a caxumba e a rubéola, por exemplo, registrou 47,65% em 2020; 61,31% em 2021 e 13,75% em 2022 com o esquema completo, ou seja, as duas doses. Já da vacina contra poliomielite foram registradas coberturas de  58,92%; 69,75% e 18,40% nos últimos três anos.
“É preciso que os pais tomem consciência da importância de atualizar o calendário vacinal dos seus filhos. Nos últimos anos, infelizmente, temos percebido um movimento anti-vacinas ganhar força e, com isso, doenças que já eram consideradas erradicadas no Brasil voltaram a aparecer, a exemplo do sarampo. As vacinas ainda representam a forma mais eficaz de prevenir doenças, muitas delas com potencial de letalidade preocupante. Portanto, é essencial que os responsáveis procurem as nossas unidades para proteger esse público tão vulnerável”, alerta a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Para vacinar as crianças, basta que o responsável procure uma UBS com o cartão ou a caderneta de vacina e documento com foto. Caso não possua, basta levar documento com foto, CPF e comprovante de residência para que o documento seja confeccionado na hora.