Pular para o conteúdo
Início » Prefeitura de Aracaju oferta serviço de apreensão de animais de grande porte

Prefeitura de Aracaju oferta serviço de apreensão de animais de grande porte

Com intuito de proteger animais de médio e grande porte que se perdem dos seus donos ou são abandonados pelas ruas, além de garantir a segurança no trânsito da capital sergipana, a Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), atua, diariamente, para resgatar animais das vias públicas da cidade, proporcionando bem-estar e segurança, tanto à população, quanto aos próprios animais.
Só neste ano, no período de janeiro a julho, foram resgatados 649 animais. Deste total, 437 foram encontrados circulando em vias públicas da antiga Zona de Expansão, região que costuma ter o maior número de animais perdidos ou abandonados por seus donos. Se comparado ao mesmo período no ano passado, que teve um total de 682 resgates, houve uma redução de 4,8%. Em 2021, o total de animais resgatados chegou a 1.128; já em 2022, foram 924.
Segundo o coordenador do Centro de Apreensão de Animais, Isaias Freitas, esse trabalho pode salvar vidas.
“A importância do nosso trabalho é a de retirar esses animais da rua para não provocar acidente e ocasionar óbito. Estamos salvando várias vidas, da população e do animal. E, além do acidente automobilístico, [esses animais] podem dar um coice em quem estiver passando próximo e causar também um óbito”, afirma o coordenador.
Para garantir a efetividade do trabalho, as equipes do Centro atuam 24 horas por dias, ao longo dos sete dias da semana, realizando rondas e apurando denúncias realizadas por moradores que avistaram animais circulando pelas ruas e avenidas da capital. Os números de contato utilizados nesses casos são: (79) 991510315 // (79) 9988632153.
Resgate
Uma vez recolhidos, os animais são encaminhados ao Centro de Apreensão de Animais, localizado no bairro 18 do forte, para receber cuidados veterinários e identificar possíveis problemas de saúde. Caso seja identificado que o animal não possui nenhuma enfermidade, é encaminhado ao curral, junto aos outros, tendo acesso a água potável, capim moído, sais minerais, farelo, feno e fica aguardando ser recolhido. Vale destacar que o proprietário, munido de documentos pessoais, têm até 15 dias para ir ao Centro resgatar o animal.
“Para que esse resgate seja feito, é cobrado do proprietário do animal uma taxa de apreensão no valor de R$100 e a diária no valor de R$60. Se o animal foi medicado, tratado pelo nosso médico veterinário, ele paga mais uma taxa de R$60 pela assistência médico veterinário. Depois de 15 dias, se o proprietário não buscar o animal, ele vai para adoção. Caso o animal do mesmo proprietário seja recolhido por três vezes, ele já vai automaticamente para adoção”, detalha Isaias.
A cobrança das taxas é feita de acordo com a lei municipal n° 2380, de 14 de maio de 1996, que estabelece, além da proibição e a consequente apreensão de todo animal solto nas vias e logradouros públicos, a cobrança das despesas referentes à essa apreensão.
Adoção
O setor de Apreensão de Animais da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) está em pleno processo de funcionamento, com adoção de animais recolhidos de diferentes pontos de Aracaju. O indicativo também está previsto na lei municipal nº 2.380/96, que regulamenta o processo de adoção.
Para quem deseja adotar um dos animais que não foram recolhidos por seus donos ou que possuem reincidência, é necessário se dirigir à Emsurb, que fica na Av. Jornalista Santos Santana, no bairro Jardins, levando a carteira de identidade, CPF, comprovante de residência do interior e aguardar o contato.
O coordenador do Centro, Isaias Freitas, frisa, entretanto, que um dos principais pré-requisitos para adoção é que o interessado seja produtor rural do interior, pois os animais deverão ser usados na lida com a terra e não mais para exploração (mecanismo de transporte de pessoas e objetos).
“Nós não disponibilizamos a adoção para residentes das cidades de Aracaju, São Cristóvão, Barra dos Coqueiros, Laranjeiras e Nossa Senhora do Socorro porque esses animais acabam retornando para a capital novamente e vêm para o nosso setor. Por isso que [ a localidade] deve ser mais distante, onde ele não volte”, pontua Isaias.